Espaços coletivos crescem e se diversificam no Brasil
PUBLICIDADE
Portal Revista Infra - quarta-feira, abril 24, 2019
Consulte nossos conteúdos
Espaços coletivos crescem e se diversificam no Brasil
O ambiente de trabalho é um deles

Por Tiago Alves*

Conteúdo publicado em 22 de março de 2019

Nos últimos anos, temos mudado a forma como pensamos setores inteiros, nas grandes cidades: o entretenimento audiovisual passou pela transformação on demand, músicas podem ser acessadas via streaming de inúmeras plataformas, o deslocamento urbano vive o conceito de "carona remunerada", entre outros serviços que chegam a todo momento para modificar nosso dia a dia. O desenvolvimento da tecnologia é a protagonista dessas mudanças e tem revolucionado as nossas vidas em diversos aspectos.

O ambiente de trabalho é um deles. Os escritórios estão mudando e os resultados disso têm transformado a experiência de trabalho de muitas pessoas. Para empresas que estiverem dispostas e suas atividades permitirem operar em novos modelos, essa é uma alternativa que pode gerar vantagem competitiva, reduzir custos e ajudar na atração e manutenção de talentos.

Exemplo disso são os espaços compartilhados, que chegaram no Brasil após se popularizarem nos Estados Unidos e na Europa - cidades como Barcelona e Nova York são expoentes dessa tendência.

De acordo com o Censo Coworking Brasil, em 2016, foram registrados 378 escritórios operando no modelo de espaço compartilhado de trabalho. Em 2017, o número subiu para 810 e, em 2018, para 1.194.

Entre os benefícios desses espaços estão maior produtividade, menores despesas gerais e horas economizadas em deslocamento. De acordo com um modelo de crescimento acelerado, que estabelece um cenário que faz uso do trabalho flexível em maior grau que o atual, o corte no deslocamento proporcionado pelo trabalho remoto pode economizar 3,53 bilhões de horas até 2030.

O País também registrou crescimento em outras áreas da chamada "economia compartilhada", como os coliving. A modalidade permite que os moradores aluguem quartos com banheiros privativos, mas dividam as áreas comuns com os outros habitantes do local, incentivando o convívio, a aproximação entre as pessoas e a troca de experiências.

No Japão, por exemplo, o conceito de moradia compartilhada já é bastante comum. Criado em Nagoya, pela empresa Naruse Inokuma Architects, o projeto LT Josai possui 13 quartos individuais de 12 m² e áreas de convivência como cozinha, banheiros e salas de estar e jantar.

No Brasil, outra forma de partilha que vem ganhando força é a da multipropriedade, que se caracteriza pela aquisição de um imóvel de forma compartilhada, dividindo-o com outros coproprietários. Assim, cada comprador usa sua cota de tempo para usufruir da propriedade durante determinado período do mês ou do ano, em rodízio. O texto de Lei n. 13.777/18 que trata sobre o tema já foi aprovado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo então presidente Michel Temer.

*Tiago Alves é CEO da Regus e Spaces no Brasil.

Clique aqui e confira o conteúdo na íntegra.

 


PUBLICIDADE

LÍDERES DE AUDIÊNCIA

Conteúdos que historicamente tiveram um grande número de visualizações. Confira abaixo alguns deles.

EDITORIAS DE MERCADO

Os conteúdos líderes de audiência que foram publicados em nossas revistas impressas ao longo da história da revista

CONGRESSO INFRA

Acesse o site de eventos e saiba mais sobre os próximos encontros da Revista Infra em todo o Brasil.

INFRA IMAGENS

Acesse o Infra Imagens - Nosso canal de imagens no Flickr com fotos dos nossos mais recentes eventos em todo o Brasil.
COPYRIGHT © 2003-2019 TALEN EDITORA
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Avenida jabaquara, 99 3. andar - Cj. 35 - Mirandópolis
Cep 04045-000 São Paulo/SP - Tel. 11 5582.3044