Tragédia do Museu Nacional
PUBLICIDADE
Portal Revista Infra - quinta-feira, setembro 20, 2018
Consulte nossos conteúdos
Tragédia do Museu Nacional
Arquitetos pedem um "basta" e propõem fundo para o Patrimônio

Foto: Museu Nacional | Roberto da Silva

"Os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional. A destruição o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, não pode passar em branco. Essa tragédia deve servir como um grito de basta contra o abandono, negligência e destruição da memória nacional", afirma em nota oficial o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil.  

"O basta! deve vir de toda sociedade. Dos estudantes ao Presidente da República", conclama o CAU/BR, acrescentando que "os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional". 

O Conselho recomenda a elaboração urgente de um plano plurianual nacional, vinculado a um fundo próprio, que privilegie a eliminação de riscos de incêndios, desabamentos e alagamentos, garantindo o funcionamento e o usufruto público do Patrimônio. 

No mesmo sentido, o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) sugeriu a criação de um fundo permanente que garanta a manutenção dos museus nacionais e a preservação do nosso patrimônio cultural, a ser gerido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Ambas entidades divulgaram recentemente "Carta-Aberta aos Candidatos nas Eleições de 2018" tratando das questões urbanas do país, inclusive a preservação e valorização do Patrimônio nacional. 

Íntegra da nota do CAU/BR

"Basta!

A destruição o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, não pode passar em branco. Essa tragédia deve servir como um grito de basta contra o abandono, negligência e destruição da memória nacional. A realidade, lamentavelmente, é que a situação do Museu Nacional não é única. Outras tragédias iguais podem ocorrer.  

Os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional. Conclamamos o Estado, os arquitetos e urbanistas, as universidades, os intelectuais, as entidades de classe, enfim, a sociedade brasileira a se mobilizar. 

O basta! deve vir de toda sociedade. Dos estudantes ao Presidente da República.

De imediato é necessário levantar outros bens em perigo - inclusive cidades históricas -  e prover meios para sua recuperação e manutenção. Nesse sentido é preciso agir em duas frentes: recursos financeiros e humanos. 

Os recursos do Tesouro e financiamentos públicos e privados existentes para o setor cultural, frutos de leis de incentivo, são insuficientes, as prioridades raramente incluem o Patrimônio e não passam de ações pontuais. É preciso avançar, elaborando um plano plurianual nacional, vinculado a um fundo próprio, que privilegie a eliminação de riscos de incêndios, desabamentos e alagamentos, garantindo o funcionamento e o usufruto público do Patrimônio. 

São necessários também profissionais capacitados. Há anos assistimos, por exemplo, o definhamento do quadro técnico de órgãos como o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), questão apenas recentemente encaminhada.

Cumprindo o compromisso histórico dos arquitetos e urbanistas com a preservação do Patrimônio, em 'Carta Aberta dos Arquitetos e Urbanistas aos Candidatos nas Eleições de 2018', divulgada em julho, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) apresentaram propostas que, a médio prazo, garantiriam a sustentabilidade da política pública para o setor. Todos estamos indignados, todos devemos colaborar". 

Sobre o Museu

Museu Nacional, atingido por um incêndio na noite do último domingo (2 de setembro), é a mais antiga instituição científica do Brasil e um dos maiores museus de história natural e de antropologia das Américas. Localiza-se no interior do parque da Quinta da Boa Vista, na cidade do Rio de Janeiro, estando instalado no Palácio de São Cristóvão. O palácio serviu de residência à família real portuguesa de 1808 a 1821, abrigou a família imperial brasileira de 1822 a 1889 e sediou a primeira Assembléia Constituinte Republicana de 1889 a 1891, antes de ser destinado ao uso do museu, em 1892. O edifício é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) desde 1938. Guardava em seu acervo mais de 20 milhões de itens.

A tragédia reforça a importância da valorização e do cuidado com o patrimônio imobiliário, histórico, científico e social por meio das manutenções preventiva, corretiva e preditiva necessárias. Com certeza uma grande e irreparável perda para o Brasil!


PUBLICIDADE

LÍDERES DE AUDIÊNCIA

Conteúdos que historicamente tiveram um grande número de visualizações. Confira abaixo alguns deles.

EDITORIAS DE MERCADO

Os conteúdos líderes de audiência que foram publicados em nossas revistas impressas ao longo da história da revista

CONGRESSO INFRA

Acesse o site de eventos e saiba mais sobre os próximos encontros da Revista Infra em todo o Brasil.

INFRA IMAGENS

Acesse o Infra Imagens - Nosso canal de imagens no Flickr com fotos dos nossos mais recentes eventos em todo o Brasil.
COPYRIGHT © 2003-2018 TALEN EDITORA
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Avenida jabaquara, 99 3. andar - Cj. 35 - Mirandópolis
Cep 04045-000 São Paulo/SP - Tel. 11 5582.3044