Gest��o e moderniza����o cemiterial
PUBLICIDADE
Portal Revista Infra - quarta-feira, outubro 17, 2018
Consulte nossos conteúdos
Gestão e modernização cemiterial
Cresce o número de empresas interessadas na privatização de 22 cemitérios de São Paulo, além do crematório público

Chega ao final, o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) promovido pela Prefeitura de São Paulo, que convocou os interessados da iniciativa privada para apresentação de estudos e soluções visando a revitalização, modernização e gestão dos 22 cemitérios e do crematório público da cidade de São Paulo.
 
Iniciado no primeiro semestre de 2017, o PMI (que tinha data para entrega dos estudos marcada para 25 de julho de 2017) foi suspenso pelo Tribunal de Contas do Município (TCM) que liberou a conclusão do procedimento após sete meses de idas e vindas junto à Administração Pública Municipal.
 
Agora chancelado pelo TCM, a Prefeitura de São Paulo entende que o PMI (e consequente recebimento dos estudos contendo soluções dos players com experiência no setor) é passo fundamental para a futura modelagem do processo licitatório dos cemitérios públicos da cidade.
 
Adriano Napoli, representante do Consórcio Zion, participante habilitado no PMI, vê com bons olhos o convite feito pela Prefeitura de São Paulo para o diálogo entre municipalidade e iniciativa privada sobre a apresentação de soluções e melhorias na gestão dos cemitérios públicos. No entanto, ele entende que o tema ainda carece de segurança jurídica. Segundo Napoli, "a cidade de São Paulo necessita, antes de mais nada, de um marco legal sobre o setor. Um projeto de lei que reúna, de forma altamente organizada, as inúmeras leis esparsas que hoje ditam, de forma arcaica e desatualizada, as regras sobre o serviço funerário e sobre a administração de cemitérios municipais e particulares". "Não há como se falar em segurança jurídica para a concessão dos cemitérios públicos e do serviço funerário (também alvo de procedimento de manifestação de interesse específico promovido pela Prefeitura de São Paulo) sem a criação de um normativo legal único, que regulamente o setor de forma integrada", conclui.
 
Sobre o momento e a oportunidade criada pela Administração Pública da cidade de São Paulo, Bruno Gallo, CEO da insurtech Amar Assist (especializada em gestão cemiterial), comenta: "a ineficiência do modelo operado até hoje pelo poder público é enorme, seja pela administração sempre muito política das autarquias ou das empresas públicas, que não objetivam proporcionar dignidade a um serviço básico às famílias que acabaram de perder um ente querido".
 
Sobre a concessão dos cemitérios públicos e do serviço funerário, Gallo ainda pondera: "regulamentar única e exclusivamente a concessão dos cemitérios públicos, de forma isolada, não vai resolver o problema como um todo. A solução para essa agenda deve ser encarada de forma conjunta. Não só a gestão dos cemitérios públicos deve ser regulamentada, mas também a do serviço funerário. Devemos olhar para a foto maior. A concessão desse serviço deve ser tratada de forma única. Acredito que uma concessão mais eficiente seja aquela que englobe não só a administração dos cemitérios públicos pela iniciativa particular, mas também a do serviço funerário".

Seis grupos estão interessados na concessão

A Secretaria Municipal de Desestatização e Parcerias recebeu no último dia 28 de junho estudos de seis grupos interessados no Procedimento para a concessão de 22 cemitérios e do crematório municipal.

Segundo a SMDP, o objetivo com o chamamento público foi receber estudos de modelagem operacional, econômico-financeira, jurídica, de engenharia e arquitetura para revitalização, modernização, operação, manutenção e gestão desses equipamentos.

Os materiais recebidos estão em análise pela equipe técnica, que trabalhará na elaboração do futuro edital de licitação de concessão.

Veja abaixo a relação de consórcios que entregaram estudos e a publicação na íntegra no Diário Oficial do Município:

- Almeida e Fleury, AEEM e Biazzo Advogados
- Consórcio Zetta-CTAF-SPG-Pax Domini
- Consorcio ZION
- Ernst & Young
- H&G CONSULTORIA EM ENGENHARIA
- Vale dos Pinheirais

Cenário atual
 
Os cemitérios da capital paulista são alvo de queixas da população devido à má conservação dos locais e à falta de segurança. Levantamento feito pelo próprio TCM constatou que ocorrem, dentro deles, ao menos 108 furtos por mês, o que corresponde a 3,6 por dia.
 
Em ronda pelos cemitérios de SP, comprova-se que o prejuízo está bem vivo. O da Consolação, onde estão enterrados Monteiro Lobato e Mario Andrade, custou R$ 772 mil ao serviço funerário, porém arrecadou apenas R$ 118 mil no ultimo ano. O da Vila Mariana, onde está o pintor Alfredo Volpi, também arrecada menos que gasta. Em 2015 apresentou um custo de R$ 1,6 milhão, mas obteve R$ 637 mil com os serviços que presta.
 
A segurança por lá também é deficitária estimulando os furtos. Em 2014, os túmulos de Monteiro Lobato e Mário de Andrade foram violados. O adorno floral e o portão de bronze que estampavam no jazigo do criador do Sítio do Pica Pau Amarelo foram furtados, já do sepulcro do poeta Mário de Andrade, os bandidos levaram o portão que enfeita a entrada do túmulo. 

Foto de destaque: Cemitério da Consolação (SP) | Artur Vitor Iannini


PUBLICIDADE

LÍDERES DE AUDIÊNCIA

Conteúdos que historicamente tiveram um grande número de visualizações. Confira abaixo alguns deles.

EDITORIAS DE MERCADO

Os conteúdos líderes de audiência que foram publicados em nossas revistas impressas ao longo da história da revista

CONGRESSO INFRA

Acesse o site de eventos e saiba mais sobre os próximos encontros da Revista Infra em todo o Brasil.

INFRA IMAGENS

Acesse o Infra Imagens - Nosso canal de imagens no Flickr com fotos dos nossos mais recentes eventos em todo o Brasil.
COPYRIGHT © 2003-2018 TALEN EDITORA
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Avenida jabaquara, 99 3. andar - Cj. 35 - Mirandópolis
Cep 04045-000 São Paulo/SP - Tel. 11 5582.3044