Nem tudo é má notícia!
PUBLICIDADE
Portal Revista Infra - segunda-feira, outubro 16, 2017
Consulte nossos conteúdos
Nem tudo é má notícia!
Mesmo diante de um cenário econômico adverso, o Programa de Expansão e de Manutenção dos Hospitais Públicos do Governo do Estado de São Paulo avança

Por Léa Lobo

Tomando-se como base o passado recente, percebe-se claramente que a falta de planejamentos estratégicos e respectivos planos plurianuais de investimentos foi uma constante em boa parte da construção hospitalar no Brasil. Considerando que edifícios hospitalares (Estabelecimentos Assistenciais de Saúde – EAS) são bastante complexos, caros e necessitam de contínuas intervenções que assegurem ambientes adequados frente a constante mudança de fatores como a evolução das ciências médicas; aumento da perspectiva de vida da população; avanços da tecnologia da informação (TI); incorporações de novos equipamentos; tratamentos e procedimentos. A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo (SES-SP) adotou um ambicioso projeto de ampliação, revitalização e de manutenção de seu conjunto de prédios hospitalares, com um investimento médio anual no período de 2011 a 2016 de R$ 116 milhões, que permite a projeção dos recursos financeiros necessários no médio e longo prazo, estabelece o quê e quando executar, evita soluções de continuidade e assegura a capacitação e retenção de equipe técnica/administrativa vital para seu sucesso.

 

Estratégias revolucionárias

No viés técnico, adotou-se o binômio construção/manutenção, focando de um lado os novos prédios, retrofits e reformas necessárias, e do outro a plena disponibilidade operacional no dia a dia. Na parte financeira novos paradigmas foram estabelecidos:

• Buscou-se recursos através de contrato de financiamento junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, pelo Programa de Fortalecimento da Gestão da Saúde no Estado de São Paulo, contribuindo para a melhoria das condições de saúde da população por meio da estruturação de serviços, implantando novos hospitais, Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) em diversos municípios com o intuito de ampliar a qualidade e a integralidade dos serviços, com investimentos na ordem de R$ 500 milhões.

• Desenvolveu-se um Programa de Parceria Público-Privada (PPP), instrumento utilizado para realizar investimentos em infraestrutura, como a construção dos Hospitais de Sorocaba, de São José dos Campos e o Novo Centro de Referência da Saúde da Mulher, com investimentos na ordem de R$ 4.021 bilhões, incluindo a operação para os próximos 20 anos.


Hospital Regional do Litoral Norte – Projeto BID


Hospital Regional de Sorocaba – Projeto PPP

Engenharia hospitalar, um dos principais diferenciais

Dentre as diversas áreas que compõem a Diretoria Geral de Administração da SES, coordenada pelo Engenheiro e Administrador Jorge Alberto Lopes Fernandes, a engenharia hospitalar possui papel relevante, começando no planejamento, passando pelos projetos, contratações, gerenciamento de execução, até a entrega definitiva. A área de Projetos, Obras e Manutenção é chefiada pelo Arquiteto Adhemar Dizioli e conta com 35 colaboradores.

Desenvolver e reter conhecimento são imprescindíveis na gestão do edifício hospitalar. Sem um núcleo permanente, o know-how porventura adquirido volatiliza, perde-se a essência, relativiza-se a cultura organizacional.

Foco na legislação e nos desafios ambientais

Os projetos, obras e serviços de manutenção são contratados através de processos licitatórios, em estrita consonância com as legislações vigentes. Especial atenção é dada às condições ambientais como restrições a produtos e subprodutos de origem exótica, produtos e subprodutos florestais de origem nativa da flora brasileira (Cadmadeira), assim como com o que dispõe a legislação em termos da utilização do amianto.

Em todos os processos envolvidos, desde a concepção dos projetos, passando pela execução da construção e o uso do espaço construído, dentro das condições de cada empreendimento, são inseridos sistemas de eficiência energética, como, por exemplo, a utilização de iluminação natural, com janelas que valorizam a iluminação e circulação do ar na edificação, sistemas de energia renovável, utilização de equipamentos de baixo consumo, como as descargas com dupla função, e torneiras com controle de fluxo, e reuso econômico da água, por meio de sistemas de reaproveitamento da chuva, além de levar em consideração o descarte consciente de resíduos de materiais.

Manutenção, a melhor ferramenta para se assegurar uma efetiva disponibilidade e eliminar desperdícios

De 2011 para cá a Secretaria da Saúde consolidou e otimizou o Projeto de Operação e Manutenção Predial dos seus Estabelecimentos Assistenciais de Saúde, na eterna busca por soluções eficazes. Tal projeto, que teve início em 2008, é responsável pelo sucesso da plena recuperação e segurança operacional dos prédios atendidos e expressivas economias nas utilidades com energia e água. Os contratos implantados abrangem a prestação de serviços contínuos de operação e manutenção predial, preditiva, preventiva, corretiva e emergencial e de assistência técnica das instalações e áreas físicas das Unidades, envolvendo os serviços de: civil, mecânica (ar condicionado, vapor e condensado), elétrica, hidrossanitária, gases medicinais e câmaras frias.

A operação adequada de um hospital só pode se dar com o perfeito funcionamento de todos os seus sistemas. Tal entendimento é claro e simples, na medida em que qualquer pessoa, ainda que não especialista em engenharia, perceba que não é possível o atendimento pleno às pessoas debilitadas e doentes, se os sistemas planejados e instalados em um hospital não estiverem aptos para utilização em caso de uma urgência e, ou, emergência. O perfeito funcionamento das instalações elétricas, hidrossanitárias, sistema pneumático e de gases medicinais, sistema de exaustão e ar condicionado, de caldeiras, de trocadores de calor, de fluídos mecânicos e térmicos, de sonorização, chamada de enfermagem e telefonia, dentre outros, fazem da edificação que abriga um hospital, a mais complexa.


Em sentido horário, a Diretora de Manutenção Adriana, Arquiteto Adhemar, Engenheiro Jorge Alberto e o Diretor de Obras Cláudio

A carência de recursos e a falta de servidores especializados junto com um plano secundário à manutenção hospitalar ocasionou a existência de hospitais com estrutura física em estado precário. Não há dúvida que setores críticos como Centros Cirúrgicos e Unidades de Terapia Intensiva, não podem sofrer qualquer interrupção no seu funcionamento, ou nas instalações de segurança, como incêndio e energia, sob pena de colocar em risco a vida dos usuários do hospital.

Um grande hospital, do porte daqueles que formam a rede estadual, possui sistemas com alto grau de complexidade e dimensionamento, de forma que, sob o ponto de vista predial devem contar com processos e programações diárias, semanais, mensais e anuais de manutenção preventiva e, ao mesmo tempo, contar com a agilidade necessária para a manutenção corretiva de emergência. Ou seja, a operação de hospitais está diretamente condicionada a uma manutenção presente e atuante.

Após levantamentos e estudos, a engenharia hospitalar concluiu que a opção pela contratação dos serviços agrupando unidades hospitalares da mesma região, de mesmo porte e em condições de conservação semelhantes constitui a forma mais vantajosa para a administração. Isso porque, do ponto de vista técnico, econômico e gerencial é o meio mais rápido para a troca de informações e de conhecimentos, que é fundamental para a solução de problemas relacionados com a área de manutenção, incluindo o Sistema de Gerenciamento Informatizado (SIGEIN) via web.

Atualmente o sistema de operação e manutenção predial é composto por oito módulos, abrangendo 44 unidades de saúde, totalizando 6.550.037 m².

PUBLICIDADE

LÍDERES DE AUDIÊNCIA

Conteúdos que historicamente tiveram um grande número de visualizações. Confira abaixo alguns deles.

EDITORIAS DE MERCADO

Os conteúdos líderes de audiência que foram publicados em nossas revistas impressas ao longo da história da revista

CONGRESSO INFRA

Acesse o site de eventos e saiba mais sobre os próximos encontros da Revista Infra em todo o Brasil.

INFRA IMAGENS

Acesse o Infra Imagens - Nosso canal de imagens no Flickr com fotos dos nossos mais recentes eventos em todo o Brasil.
COPYRIGHT © 2003-2017 TALEN EDITORA
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Avenida jabaquara, 99 3. andar - Cj. 35 - Mirandópolis
Cep 04045-000 São Paulo/SP - Tel. 11 5582.3044