Calçada Viva pode estimular percursos a pé e aliviar o trânsito de São Paulo
PUBLICIDADE
Portal Revista Infra - sexta-feira, abril 19, 2019
Consulte nossos conteúdos
Calçada Viva pode estimular percursos a pé e aliviar o trânsito de São Paulo
05/03/12 - Conceito prevê soluções como árvores frutíferas e pisos drenantes para espaços públicos da cidade
Desenvolvido em 2006 para a Casa Cor São Paulo, pelo arquiteto paisagista Benedito Abbud, o conceito de Calçada Viva consiste em propor uma nova ideia de revitalização de áreas, principalmente aquelas que ladeiam grandes extensões de muros e, assim, incentivar a população ao convívio em ambientes ao ar livre, oferecendo mais conforto ao cidadão, objetivando que ele troque o carro pelo passeio a pé.

"A projeção de calçadas vivas ou ecológicas incentivariam as pessoas a caminhar mais. Afinal, a maioria das nossas calçadas são ruins, com desníveis, buracos, pisos irregulares, degraus, entre outros obstáculos. O que acaba causando muitos acidentes. Se é difícil uma pessoa sem limitações físicas andar a pé, imagina os cadeirantes, cegos e até mesmo os idosos e as mães com carrinhos de bebê. As calçadas deveriam ser acessíveis para o uso comum de todos", afirma Benedito Abbud.

Segundo o arquiteto, as calçadas devem ser mais largas, com faixas de serviços para arborização, telefones públicos e lixeiras, além de serem  acessíveis, com rampas para cadeirantes, piso portátil de orientação e alerta. Mas é na questão ambiental que a Calçada Viva exibe inovação: ações como o plantio de árvores, arbustos, forração vertical (hera e unha de gato nos muros, por exemplo) e grama de forma organizada nas áreas de calçada, assim como de espécies frutíferas para atração de pássaros.
Piso drenante: parceria com a Braston

Outro ponto importante é a utilização das chamadas calçadas inteligentes, que funcionam como uma galeria no subsolo, permitindo que as fiações da rede elétrica, telefônica, de TV, fibras óticas, rede de água e esgoto sejam embutidas. Assim, na manutenção dos serviços, não haverá a necessidade de quebrar o piso e ainda diminui a poluição visual da cidade.

No plano de criação da Calçada Viva, existe o piso drenante, desenvolvido em parceria com a Braston com Benedito Abbud. "Caso as calçadas fossem construídas com matérias permeáveis ou recicláveis, facilitaria a drenagem de água pelo solo, evitando problemas como as enchentes, por exemplo, devido à dificuldade de escoamento. Além da percolação de água, materiais de coloração mais clara (à base de cimento), diminuem a absorção de calor, contribuindo para a redução do efeito das chamadas ilhas de calor", afirma Abbud.

"O certo seria que todas essas calçadas fossem ecológicas e se engana quem pensa que esse tipo de calçada é mais cara, pois o custo da calçada ecológica é praticamente o mesmo da convencional". Segundo o arquiteto, se as calçadas de São Paulo recebessem pisos drenantes, drenariam cerca de 120 piscinões da Praça Charles Miller, localizada no Pacaembu. Essa água iria direto para o subsolo, hidratando a vegetação urbana e ajudando a diminuir os alagamentos.

PUBLICIDADE

LÍDERES DE AUDIÊNCIA

Conteúdos que historicamente tiveram um grande número de visualizações. Confira abaixo alguns deles.

EDITORIAS DE MERCADO

Os conteúdos líderes de audiência que foram publicados em nossas revistas impressas ao longo da história da revista

CONGRESSO INFRA

Acesse o site de eventos e saiba mais sobre os próximos encontros da Revista Infra em todo o Brasil.

INFRA IMAGENS

Acesse o Infra Imagens - Nosso canal de imagens no Flickr com fotos dos nossos mais recentes eventos em todo o Brasil.
COPYRIGHT © 2003-2019 TALEN EDITORA
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Avenida jabaquara, 99 3. andar - Cj. 35 - Mirandópolis
Cep 04045-000 São Paulo/SP - Tel. 11 5582.3044