Varejo em transformação

É imperativo preparar a infraestrutura das operações para atender o novo ambiente de negócios do setor, sobretudo no contexto do facilities management

Notícia publicada em 5 de fevereiro de 2019

A forma de gerenciar negócios está mudando e, hoje, em vez de usar exércitos de colaboradores ou grandes instalações físicas, algumas empresas começam a repensar seu modelo de negócio, tentando adaptá-lo aos modelos de organizações exponencias, que são construídos com base nas Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs). Esses modelos desmaterializam o que antes era de natureza física e transfere para o mundo digital sob demanda, o que também pode ocorrer no mercado do varejo.

Frente a esta transformação, a INFRA traz duas pesquisas: Varejo em Transformação, realizada pela Deloitte e o Ranking IBEVAR.FIA 2018, conduzido pelo PROVAR - FIA Business School e Epistemics. O objetivo em apresentar os dados é sensibilizar os varejistas que as transformações no novo ambiente de negócios do varejo afeta diretamente a estrutura e a ambientação das instalações físicas desses edifícios/lojas, que precisam de uma gestão profissional em Facilities Management, para que as instalações estejam melhor preparadas e adequadas para atender e proporcionar a melhor experiência para seus clientes e usuários.

O Facility Management (FM) no Varejo

As considerações de facilities management no varejo e desafios variam de manutenção do sistema de climatização à limpeza e qualidade do piso de vendas. Centenas de desafios, se não milhares, existem na manutenção de uma loja, assim como existem milhares de desafios enfrentados por gerentes de instalações multi-site no varejo. Por isso, esses gerentes precisam entender e saber como responder aos principais problemas que afetam o FM no varejo.

Uma questão fundamental que afeta os gestores e o varejo remonta a uma lista crescente de responsabilidades. Os gerentes de facilities/operações de hoje estão simplesmente usando muitos "chapéus" para serem realmente eficazes na supervisão de todos os aspectos das operações, pessoalmente e por meio de processos manuais. Para isso, mais organizações estão recorrendo a sistemas e processos de FM automatizados, orientados por análises, para simplificar as atividades gerais da área. Isso dá aos gerentes acesso às informações de que eles precisam para tomar decisões acertadas frente a um número excessivo de informações e contingências a serem atendidas diariamente.

Os FMs também precisam lidar com relacionamentos cada vez mais complexos com fornecedores. Como os fornecedores serão pagos, quantos e por quanto tempos os contratados estavam no local, quando foram pagos, se o trabalho excedeu ou atendeu às expectativas e quais outros termos dentro do acordo de nível de serviço devem ser atendidos. Essas questões refletem a crescente complexidade das relações fornecedor-negócios, mas imaginem como esse cenário se expandiria para um negócio do varejo que esteja presente em mais de 20 localidades. O grande volume de gerenciamento desses muitos relacionamentos resultará em imprecisões nos relatórios, atrasos no pagamento e falta de contabilização nos gastos com instalações. No entanto, a tecnologia moderna pode agilizar o processo de fornecedores e terceirizar todo o processo para uma outra parte, colocando as tentativas e tribulações de gerenciar esses relacionamentos complexos nas mãos de especialistas do setor.

Outro ponto é que as edificações mais antigas continuam sendo outro problema que afeta o FM no varejo. Os acessos, as redes elétricas, o encanamento, os sistemas de eliminação de águas residuais etc. Os gerentes podem acompanhar as necessidades de infraestrutura de uma única instalação, mas é quase impossível manter uma instalação proativamente se os custos associados à aquisição de suprimentos ou peças necessárias para reparo e manutenção de ativos for cada vez mais alto do que o esperado e/ou essas peças demorarem a chegar.

Uma infraestrutura envelhecida contribui para o estresse e a sobrecarga dos gerentes de FM, e os consumidores continuam sendo implacáveis. Eles podem ignorar um pequeno detalhe, mas quando chega a hora de decidir entre fazer compras em seu estabelecimento de varejo versus seu concorrente, é mais provável que os consumidores escolham o concorrente, desde que sua instalação tenha o menor detalhe que vá além do estado de sua instalação. Até mesmo estradas de acesso e entradas para suas instalações devem ser consideradas no orçamento de FM, e se os consumidores tiverem dificuldade em atravessar seu estacionamento sem raspar o fundo de seus veículos, eles irão para outro lugar.

Enquanto isso, os problemas com a rede elétrica ou o encanamento em sua área podem afetar drasticamente sua capacidade de atender às necessidades básicas dos consumidores, como oferecer banheiros públicos ou criar um ambiente confortável quando a rede elétrica não funcionar corretamente. Embora a falha do sistema elétrico possa estar fora de seu controle, sua organização pode tomar medidas para evitar que ele cause impacto negativo nas experiências do cliente.

Por exemplo, a simples adição de um gerador de backup para o seu sistema HVAC pode ajudar os funcionários e convidados a permanecerem confortáveis em suas instalações e, se o gerador estiver conectado aos seus sistemas de ponto de venda, sua organização terá menos probabilidade de sofrer prejuízos.

Enfim, a atividade de FM no varejo é imprescindível no contexto da estratégia dos negócios da área, afinal estamos falando do mercado de consumo e varejo, que juntos movimentam 8% dos R$ 5,6 trilhões do PIB brasileiro, onde o consumo das famílias representa R$ 4,6 trilhões e o varejo de bens representa R$ 1,3 trilhão. Acompanhe a seguir as informações das duas pesquisas.

Varejo em transformação

A pesquisa inédita Varejo em transformação, realizada pela Deloitte, de 6 a 21 de novembro apresenta como os varejistas guiaram seus negócios diante de um cenário complexo, bem como as tendências de comportamento do consumidor brasileiro. O levantamento foi aplicado junto a representantes de 126 organizações, de varejo e bens de consumo, que fazem parte de 20 segmentos econômicos. Os dados apontam que grande parte das empresas reduziram suas despesas... Continuar lendo...

Foto: Pixabay | Divulgação