Tragédia do Museu Nacional

Arquitetos pedem um "basta" e propõem fundo para o Patrimônio

Foto: Museu Nacional | Roberto da Silva

"Os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional. A destruição o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, não pode passar em branco. Essa tragédia deve servir como um grito de basta contra o abandono, negligência e destruição da memória nacional", afirma em nota oficial o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil.  

"O basta! deve vir de toda sociedade. Dos estudantes ao Presidente da República", conclama o CAU/BR, acrescentando que "os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional". 

O Conselho recomenda a elaboração urgente de um plano plurianual nacional, vinculado a um fundo próprio, que privilegie a eliminação de riscos de incêndios, desabamentos e alagamentos, garantindo o funcionamento e o usufruto público do Patrimônio. 

No mesmo sentido, o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) sugeriu a criação de um fundo permanente que garanta a manutenção dos museus nacionais e a preservação do nosso patrimônio cultural, a ser gerido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM). Ambas entidades divulgaram recentemente "Carta-Aberta aos Candidatos nas Eleições de 2018" tratando das questões urbanas do país, inclusive a preservação e valorização do Patrimônio nacional. 

Íntegra da nota do CAU/BR

"Basta!

A destruição o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, não pode passar em branco. Essa tragédia deve servir como um grito de basta contra o abandono, negligência e destruição da memória nacional. A realidade, lamentavelmente, é que a situação do Museu Nacional não é única. Outras tragédias iguais podem ocorrer.  

Os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional. Conclamamos o Estado, os arquitetos e urbanistas, as universidades, os intelectuais, as entidades de classe, enfim, a sociedade brasileira a se mobilizar. 

O basta! deve vir de toda sociedade. Dos estudantes ao Presidente da República.

De imediato é necessário levantar outros bens em perigo - inclusive cidades históricas -  e prover meios para sua recuperação e manutenção. Nesse sentido é preciso agir em duas frentes: recursos financeiros e humanos. 

Os recursos do Tesouro e financiamentos públicos e privados existentes para o setor cultural, frutos de leis de incentivo, são insuficientes, as prioridades raramente incluem o Patrimônio e não passam de ações pontuais. É preciso avançar, elaborando um plano plurianual nacional, vinculado a um fundo próprio, que privilegie a eliminação de riscos de incêndios, desabamentos e alagamentos, garantindo o funcionamento e o usufruto público do Patrimônio. 

São necessários também profissionais capacitados. Há anos assistimos, por exemplo, o definhamento do quadro técnico de órgãos como o IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), questão apenas recentemente encaminhada.

Cumprindo o compromisso histórico dos arquitetos e urbanistas com a preservação do Patrimônio, em 'Carta Aberta dos Arquitetos e Urbanistas aos Candidatos nas Eleições de 2018', divulgada em julho, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) apresentaram propostas que, a médio prazo, garantiriam a sustentabilidade da política pública para o setor. Todos estamos indignados, todos devemos colaborar". 

Sobre o Museu

Museu Nacional, atingido por um incêndio na noite do último domingo (2 de setembro), é a mais antiga instituição científica do Brasil e um dos maiores museus de história natural e de antropologia das Américas. Localiza-se no interior do parque da Quinta da Boa Vista, na cidade do Rio de Janeiro, estando instalado no Palácio de São Cristóvão. O palácio serviu de residência à família real portuguesa de 1808 a 1821, abrigou a família imperial brasileira de 1822 a 1889 e sediou a primeira Assembléia Constituinte Republicana de 1889 a 1891, antes de ser destinado ao uso do museu, em 1892. O edifício é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) desde 1938. Guardava em seu acervo mais de 20 milhões de itens.

A tragédia reforça a importância da valorização e do cuidado com o patrimônio imobiliário, histórico, científico e social por meio das manutenções preventiva, corretiva e preditiva necessárias. Com certeza uma grande e irreparável perda para o Brasil!