De instalação industrial a complexo empresarial

Porto Niterói, no Rio de Janeiro, ganha retrofit e terá edifício comercial com até 440 salas

Com a alta na demanda gerada, principalmente, pela exploração do pré-sal, o Porto Niterói, localizado no Rio de Janeiro, está passando por uma extensa revitalização. Dentro desse projeto, está inclusa a transformação da estrutura industrial do Moinho em um complexo empresarial que reunirá até 440 conjuntos de salas nos 10 andares do edifício.

Nitshore e Nitport são arrendatários da área desde 2005 e tem como objetivo instalar uma das bases logísticas mais modernas da América Latina na região. "Trata-se de uma ação muito importante para a cidade, porque o porto esteve desativado por um longo tempo. Com a reforma, teremos o crescimento da mão de obra e da arrecadação de impostos, movimentando a economia como um todo", afirma José Luiz Valente Pascoal, secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Indústria Naval.

O projeto de revitalização também inclui ampliações do terreno da Escola Superior de Polícia Militar (ESPM) e o Grupamento Aéreo Marítimo (GAM). A Companhia Docas do Rio (CDRJ), responsável pelo espaço, formalizou a devolução do perímetro, com cerca de 25 mil metros quadrados, com o objetivo de viabilizar a construção de um dique (barragem) seco no local.

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o terminal deve movimentar US$ 613,24 milhões por meio do comércio estadual destinado ao exterior. A movimentação de produtos naquela área engloba 12 setores de atividades, concentrada em três setores: indústria mecânica (US$ 343,17 milhões), metalurgia (US$ 147,23 milhões) e material de transporte (US$ 121,10 milhões).